(011) 3845-7417 / FONE e WhatsApp (011) 9 7150-5915 inmind@inmind.com.br

Por que, quando e como deve ser feita a transformação de mindsets.

Inovar para sobreviver,
Agilizar para competir,
Mudar para evoluir…

A única certeza imutável hoje é a mudança constante – rápida e contínua!
Seria ingenuidade acreditar que a aceitação do novo (novas metas, novos processos, novas políticas…) é feita de “fora pra dentro”, de modo racional.
Somos criaturas de hábitos e mudá-los requer uma movimentação de nossos sistemas de valores. Assim é difícil mudar, mas não impossível!

Quando abrimos mão de alguma coisa, ganhamos outras. Para influenciar e convencer pessoas e equipes, é preciso mostrar que essa equação vale a pena – que o ganho será maior que a perda… O resultado será um novo ângulo de visão que será instalado e que se abrirá para novas percepções… até que essas se tornem obsoletas e recomece o ciclo virtuoso.

Para trabalhar com transformações que se mantenham é preciso entender essas duas vertentes básicas:

As pessoas com MINDSET PREVENTIVO – são cautelosas e focam o que se pode perder com mudanças e as evita. Ele resulta em..

  • Apego às conquistas e medo de perdê-las;
  • Busca constante de segurança;
  • A isenção de erros como valor;
  • A ansiedade e stress diante de mudanças rápidas e/ou inesperadas;
  • A antecipação de problemas – prepara para o pior.

 

As pessoas com MINDSET AFIRMATIVO – são ousadas e focam o que se pode ganhar com mudanças e as provoca. Ele resulta em…

  • Busca de experimentações e resultados rápidos;
  • Predileção por riscos e pouco interesse pelo rotineiro;
  • Atenção ao novo, mas não à sua análise;
  • Volatilidade e impaciência com análises mais profundas;
  • Antecipação de conquistas – prepara para o melhor.

 

Como se vê, é impossível fazer mudanças pasteurizadas. É importante “jogar” com a percepção de ganhos e perdas de cada foco. Invertê-los seria desastroso…
Até por que as diferentes vertentes de mindset provocam comportamentos antagônicos.

 

Mindset preventivo – Posturas Hipo-Reativas:

  • Emoções interiorizadas;
  • Rigidez;
  • Paciência;
  • Introspecção e ações analisadas;
  • Ações lineares/comedidas.

 

Mindset afirmativo – Posturas Hiper-Reativas

  • Emoções exteriorizadas;
  • Energia, movimentação e expansividade;
  • Impaciência;
  • Exteriorização e ações impulsivas;
  • Ações aleatórias/exageradas

 

Os esforços de transformação de mindsets preventivos passam pelo desenvolvimento dos aspectos abaixo:

Segurança

Profissionais habituados a trabalhar com planejamentos mais rígidos têm mais dificuldades em abrir mão da sensação de ordem por uma “aventura criativa”. Quem tem uma visão de trabalho mais rígida (a primeira etapa se direciona para a segunda e esta se movimenta para a terceira e assim segue) tem mais segurança e menos conflitos internos.

Estabilidade

Quando tudo já está definido e planejado o resultado é mais estabilidade e menos ansiedade. Já as ousadas, buscam pelo novo e cada etapa é um desafio a vencer, o que demanda total desapego a rotinas e conformidades.

Tomada de Decisões

As pessoas com mindsets afirmativos precisam tomar decisões firmes, rápidas e constantes o que deixa os que têm mindset preventivo absolutamente inseguros e, não raro, irritados.

Medo de errar

Quem se apoia em documentação abundante garante um impacto emocional mínimo. A mudança para eles é fruto de passos anteriores, jamais uma disrupção da ordem.

Falta de confiança entre os membros da equipe

Dentro de um ambiente seguro, em que todos sabem o que, como e quando fazer, um erro demanda a volta às origens e tudo recomeça do zero, não do momento problemático.

 

Esses são alguns desafios das pessoas com  mindset preventivo para lidar com o novo, o inesperado. É preciso desenvolver flexibilidade e muita persistência para sair da zona de conforto.

 

Os esforços de transformação de mindsets afirmativos  passam pelo desenvolvimento dos aspectos abaixo:

  • Ouvir mais do que falar;
  • Equilíbrio em momentos de receber e emitir redirecionamentos e correções;
  • Conter a ansiedade diante da necessidade de reinício de trabalhos partindo do local do erro;
  • Tratativas com diferentes perfis (especialmente os antagônicos) que se reúnem em torno da meta proposta;
  • Assertividade e impulsividade em momentos de enfrentar conflitos ou remoção de possíveis obstáculos;
  • Manter o foco na situação a ser analisada e não nas pessoas envolvidas, por que isso pode comprometer a objetividade;
  • Buscar alinhar posturas diferentes para estabelecer uma comunicação franca e transparente que garanta a manutenção da confiança mútua.

 

Seja qual for a orientação do mindset o importante é não perder o objetivo, a meta a ser alcançada – Só assim as necessárias flexibilizações serão feitas. Quanto mais comprometimento existir mais fácil será fazer mudanças de mindsets quando necessário.

 

Aliás você sabe a diferença entre comprometimento e envolvimento?

Lembra daquela piada antiga que falava sobre um porco e uma galinha que queriam abrir  um  restaurante? No cardápio haveria pernil e ovos… O porco não quis fazer parte do   negócio por que, enquanto a galinha só estaria envolvida, ele teria que se comprometer!